Category Archives: livros

O que você comprou hoje?

consumismo
Você já parou para pensar na quantidade de coisas que consumimos diariamente? A ilustradora Kate Bingaman-Burt fez isso, e desde 2006 ela desenha diariamente o que consome ao longo do dia. O resultado disso foi o livro Obsessive Consumption: What Did You Buy Today? publicado em 2010, que continha os consumismos de três anos inteiros de sua vida e um caderninho com capa ilustrada pela artista, chamado What Did I buy today? Onde você também pode anotar tudo o que consome (além de estar comprando, logo, contribuindo com esse ciclo enlouquecedor do consumismo).

what did you buy today
Focando nas ilustrações, vem ver alguns dos consumismos registrados pela ilustradora em seu flickr pra ter noção do quanto pensar em cada situação do dia-a-dia dessa forma pode ser enlouquecedor (ou eu que sou fraca da cabeça?):

Kate-Bingaman-Burt-7-480x530 Kate-Bingaman-Burt-5-480x7516820130253_2095830598_z6179454998_d282aca900_z5432914758_5a2d0f8764_z 5018022722_74a20ba48c_z
Enlouqueci só de pensar, mas esses registros devem funcionar, no mínimo, como alternativa para redução de gastos, né não?

Paper Passion: perfume com essência de livro

Em uma época em que nostálgicas cartas de amor viraram e-mails e livros empilhados na estante viraram e-books, (entre outras tantas situações dessa “vida moderna”), devo admitir que um dos “maiores pequenos prazeres” que cultivo – uma coisa assim, meio Amélie Poulain – é o contato com um bom livro: rabiscar pequenas anotações num cantinho da página, sublinhar trechos preferidos, e outra coisa que adoro é cheiro de livro! Pelo visto, não estou só, é que a Wallpaper magazine – revista de moda, arte e design – em parceria com os perfumistas – Geza Schoen e Gerhard Steidl – lançou um perfume com essência de livro novo(!) e embalagem concebida por Karl Lagerfeld. Nas palavras do próprio estilista, não há perfume melhor no mundo do que o cheiro de um livro recém-impresso. Veja que linda a embalagem:

Eu adorei e já estou desejando muito! Pena que o preço seja bem salgadinho: U$115. Ouch!

E por falar no assunto, gostaria de encerrar o post indicando o artigo Livros, átomos e bits, da Obvious Mag e o livro A Memória Vegetal, do Umberto Eco.

From the Yellow Wallpaper: editorial inspirado em conto de terror

Esse post deveria ter sido publicado ontem, sexta-feira 13, mas ok, era apenas um pretexto. O editorial da Another Magazine seria publicado de qualquer jeito. A inspiração? O conto de terror de Charlotte Perkins Gilman, chamado “The Yellow Wallpaper” (1892), um marco na história da literatura feminista americana. Ele conta a história de uma mulher confinada pelo próprio marido em um quarto durante um longo período. Sem ter nenhum tipo de estímulo, ela torna-se obcecada pelo papel de parede, e por fim, enlouquece, passando a ver pessoas arrastando-se atrás dele. Quer saber como essa inspiração foi adaptada para uma publicação de moda? Então dá uma olhadinha:


“The Yellow Wallpaper” foi adaptado também para as telas, em um curta de 1977 produzido por Marie Ashton, e em um longa sob a direção de Logan Thomas (2008).

Fiquei curiosa para ler o conto de Charlotte Perkins Gilman, e vocês?

Robert Crumb, um quadrinhista único.

Conheci o trabalho de Robert Crumb através de pesquisa na internet. Seu nome logo apareceu quando procurei por quadrinhos com temas mais sérios e conteúdos relevantes. O estilo de suas HQs ficou conhecido como “alternativo”, exatamente por mudar a temática infantil. Crumb e seu trabalho são importantes porque ele foi o primeiro, ou um dos primeiros, a fazer o que os outros quadrinistas não faziam: escrever para adultos. Isso ocorreu nos anos 60, época do surgimento do movimento hippie e auge do uso de drogas alucinógenas, como o LSD e maconha, drogas essas que influenciaram o trabalho de Robert naquele período. Apesar de ser associado até hoje ao movimento hippie, Crumb nunca fez parte dele. Seus desenhos, todavia, vão além desse ideologia.
 Robert Crumb teve uma infância difícil, em casa seus pais brigavam frequentemente, no colégio teve problemas com as garotas e com os “bonitões”, aqueles que se achavam uma mistura de James Dean com Rocky Balboa. Sua educação religiosa foi muito repressora, algo que na adolescência foi perturbador pois era considerado errado ter desejo sexual, o que só colaborou para que mais tarde ele se tornasse um adulto viciado em sadismo, fetichismo, entre outras coisas…
 Mulheres não se assustem, ele tem um caso de amor e ódio com vocês, porém quem não quiser saber dos problemas dele com o sexo feminino em particular, eu indico a leitura desses livros: “Bob & Harv, dois anti-heróis americanos” (roteiro de Harvey Pekar, amigo de Crumb), “Gênesis” (versão de Robert para o primeiro livro da Bíblia), “Kafka de Crumb” ( ainda não li, é uma biografia diferenciada com texto de David Zane Mairowitz) e por último, “Blues” ( uma boa aula sobre o estilo musical do Mississippi). Ainda não tive a oportunidade de conhecer, porém já sugiro que procurem também pela Graphic Novel de Aline Crumb, esposa de Robert, “Essa Bunch é um Amor”.

O casal de quadrinhistas esteve no Brasil em 2010 para a FLIP, uma das maiores feiras literárias do país, que acontece em Paraty-RJ. Outra informação que deixa feliz quem gosta da família Crumb, é que a filha do casal, Sophie , também tem o gosto pelo desenho e arte, a garota tem um blog que nos deixa com vontade de uma publicação dela em livro.
 O velho homem também tem um lado musical bem aflorado, ele é músico, tem uma banda que só toca música antiga, como ragtime, e coleciona discos antigos dos anos 20 e 30. Para os mais interessados na pessoa de R. Crumb, assista ao documentário “Crumb”, que pode ser encontrado em livrarias ou baixado na internet, como eu fiz.

Um monte de achados e lindezas:

Coisas que eu estive amando durante um (nem tão) breve período de “sumiço”:

Sabe aquelas tatuagens que vinham junto com chiclete e que você usava horrores na terceira série? Então, a proposta da loja Tattly é trazer de volta as tattoos temporárias, só que em versão bem mais moderninha com desenhos lindos e coloridos desenvolvidos por vários designers. Acho a idéia fofa pra quem, assim como eu, não faz questão de desenhar algo permanente no corpo. (Me processem se não sou “ousada” o suficiente. Beijos.)
Esse look lindo foi para a pasta de inspirações e já promete uma cópia descarada adaptação muito em breve. Malha largadona + saia  tipo bailarina + colar poderoso = ♥. Adoro também o contraste do amarelo (vibrante) com o cinza (corzinha meio morta que amo).
Deixa eu fazer uma confissão: até uns meses atrás eu não sabia absolutamente nada de cozinha, e quando eu digo NADA, I really mean it. Tipo, nem fritar ovo. Superada a etapa dos “ovos fritos”, venho me apaixonando mais e mais pelo universo da gastronomia através de blogs que tenho conhecido (posto sobre isso depois) (Link). Encontrei no Sprinkle Bakes as receitas das sobremesas mais fotogênicas do mundo inteiro e, lógico, tô querendo testar tudo. O que é esse bolinho da foto, gente? ♥
Amei a idéia de decorar bordas de livros com carimbos. Sei que tem gente que morre de pena de “estragá-los” assim, mas eu sou dessas que gosta de demarcar território, sabe como? 😉 Quando o assunto são livros, então, a possessividade só aumenta. Essa dica eu encontrei no blog Minha filha vai casar, que descobri nem lembro de que jeito, mas o fato é que já entrou pra minha lista de favoritos. Tem uma tag ótima de decoração por lá chamada “decorando na pindaíba“. Visita recomendada.
Ah! Por falar em livros, li há pouco tempo Bordados, a terceira Graphic Novel de Marjane Satrapi. Fiquei apaixonada pela autora desde Persépolis, e em Bordados ela nos revela uma leitura mais leve, digna de boas gargalhadas. O livro é ótimo e a temática dessa vez gira em torno do universo feminino, mas é indicada para os meninos também (creio eu, no entanto, emprestei para o namorado e ele não morreeeeu de amores assim como eu… )
Meu namorado(!) encontrou essa lista gigantesca de penteados incríveis, ótima para se inspirar, mas a parte ruim é que não consegui encontrar (quase) nenhum tutorial dessas lindezas 🙁 Como Lidar?
Tumblr do tipo tem-que-seguir é o das meninas do Oficina de Estilo. Lá tem um monte de sugestões para fugir da mesmice na hora de vestir.
E por último, mas não menos importante, achei lindíssississimo o trabalho de pintura corporal da artista alemã Gesine Marwedel.

Livro – Dior Couture:

Lançamento que vai direto para a wishlist natalina de fashionistas mundo afora, o livro Dior Couture, fotografado por Patrick Demarchelier, reúne criações icônicas de alta-costura da maison, desde a primeira coleção, de 1947, criada pelo próprio Christian Dior. Sobre a obra, que tem previsão de lançamento para 6 de dezembro, Demarchelier diz: “Quando você é um fotógrafo de moda, você precisa inspirar um sonho. Com a alta-costura da Dior, o sonho já está lá.” O livro será publicado pela Rizzoli e poderá ser encomendado na Amazon ($69,00). Confiram algumas imagens:






Livro: Eco-Chic (2º sorteio de aniversário do blog)

Quando escolher presentes, não pense automaticamente em coisas. A maioria das pessoas não precisa de mais coisas. E se você der coisas que elas não gostam ou já têm, fica chato pra todo mundo. A menos que você saiba exatamente o que alguém quer ou precisa, pense sobre alternativas a coisas. (…) Para uma amiga que adora uma certa academia de ioga? Um passe livre de 10 dias. Um casal recém-casado louco por gastronomia? Jantar num restaurante que é um achado. Amante de balé? Ingressos. Uma amiga que tem trabalhado como louca e está estressada? Massagem no massagista predileto dela.

O trecho acima é do livro Eco-Chic – Salvando o Planeta com Estilo, de Christie Matheson, que além dessa, reúne várias sugestões simples de pequenas atitudes sustentáveis de um jeito super criativo, além de dicas de vááááários sites legais onde podemos comprar roupas, produtos de beleza, entre outras coisas, que seguem a linha natural. Comprei o meu há pouco tempo e tô amando ler, o livro tem uma linguagem bem leve, divertida, e passa looonge de ser um manual “eco-chato”, daqueles que te levam a crer que para ter atitudes mais sustentáveis você precisa ser uma hipponga e morar no meio do mato, abdicando de todos os prazeres dessa vida. Hahah!


E a boa notícia meeeesmo é que a Livraria Harmonia disponibilizou o livro para sorteio aqui. (Thanx!), e o mais legal é que, dessa vez, eu me responsabilizo em enviar o prêmio para qualquer lugar do Brasil, então todo mundo vai poder participar.

Ficaram interessadas? Então vamos às REGRAS:

  • Para participar basta comentar nesse post preenchendo corretamente os dados com seu nome completo, e-mail, cidade e estado.
Para participação extra:
  •  Curtir nossa página no facebook (link) ou Seguir no twitter @hype_collective.
    Quem tem chance extra deve publicar um segundo comentário informando seu twitter ou  perfil no facebook.

    O sorteio será realizado via random.org e
    as inscrições vão até dia 12/11. O resultado sairá aqui no blog no dia seguinte, e a ganhadora será avisada por e-mail e terá 48horas pra enviar resposta, em caso negativo, refaço o sorteio.

————————————————————————————————————————————–

ENCERRADO. Vencedora: Raquel Barreto.

Through the decades – Anos 70:

Mais imagens do livro produzido pela Free People, dessa vez com a década que é a cara da marca:





Free People lança livro fashion:

Quem acompanha o THC já deve saber do meu caso de amor com a Free People, tudo que eles lançam eu morro de amores e acabo mostrando por aqui, e dessa vez não será diferente, ainda mais com esse novo projeto super legal. Trata-se de um livro que nos mostra as tendências de moda em diferentes décadas, através de lindas fotografias.  Lindo e inspirador, “Through the Decades” revela o ciclo da moda.  Nas imagens, vários looks antiguinhos parecem super atuais, fazendo uma mescla de passado/presente  bem interessante, mas chega de falar, né? Confiram um pouquinho dos capítulos que retratam a moda dos anos 20 e 50, fotografados por David Bellemere e Alexei Hay, respectivamente:


Por Ana Carolina.

20 anos, duas pessoas, um dia…

Terminei de ler ontem Um dia, de David Nicholls, e, posso falar? Embora eu realmente tenha gostado bastante da história, (li tudo num tapa, inclusive), me emocionado com o amor/amizade de Emma Morley e Dexter Mayhew – narrado durante 20 anos, sempre no dia 15 de julho (dia de São Swithin) – fiquei, talvez pela primeira vez, um tantinho decepcionada com o final de um livro que gostei. Ainda assim, estou ansiosa para conferir a adaptação da obra para os cinemas, que tem estréia prevista para o dia 4 de novembro, aqui no Brasil, com roteiro assinado pelo proprio Nicholls, direção de Lone Scherfig (Educação), e Anne Hathaway e Jim Sturgess encarnando Emma e Dexter. Confiram algumas imagens e o trailer do filme:




Por Ana Carolina.