Lindeza do dia: Memórias de uma vida em Polaroids

O que você acharia da idéia de morrer deixando um arquivo fotográfico que contasse um pouquinho de como foi viver cada dia da sua vida? Parece surreal demais? Pois foi exatamente o que o fotógrafo norte-americano Jamie Livingston fez.

Em 1979, Jamie começou a fazer registros diários com uma câmera Polaroid, o que – até 1997 – resultou num arquivo de mais de 6.000 imagens. A última dessas fotos revela Jamie numa cama de hospital no dia de sua morte por câncer (o mesmo dia em que completaria 41 anos). Trágico? Talvez, se levarmos em conta apenas o fim da história, mas – mais do que fragmentos de 18 anos de vida imortalizados através de fotografias – Jamie nos deixou inspiração suficiente para ver a beleza nas pequenas coisas da vida.

Confira algumas imagens do Projeto Photo of the day, começando pelo fim:


É ou não é inspirador? ♥

3 Comments

  1. Achei triste sim, mas lindo demais! Naquela época era bem inusitado mesmo a proposta de fazer uma foto por dia, com todas as dificuldades tecnológicas. Hoje em dia, todo mundo tira montes e montes de fotos e acho que o projeto de Livingston serve para pensar sobre o significado das imagens todas que a gente produz hoje. Beijos, querida!

  2. Verdade! Existiram alguns dias em que ele não conseguiu fotografar, mas foram pouquíssimos, acho que 14 dias desses 18 anos, apenas. Mas é realmente incrível poder acompanhar de um jeito tão bonito (praticamente) tudo o que aconteceu na vida de uma pessoa durante tanto tempo.

  3. Achei triste, mas lindo!² Foi mesmo, inspiração o suficiente pra vermos as coisas simples com outros olhos. É realmente incrível poder guardar tantas recordações, tantos registros importantes em foto, ainda que no final sejam bem tristes.
    São fotos por uma razão, por uma necessidade de manter o momento “intacto” e é isso o que eu acho mais bonito nesse ‘mundo da fotografia’, o simples sempre é mais pra mim. 😀

    Beijo, Aniinha!

Deixe uma resposta