Modernidades e Nostalgias

A minha geração, de pessoas que nasceram nos anos oitenta, viram muitas “evoluções” no mundo da música e do cinema, mas irei falar dos suportes físicos usados para armazenar os conteúdos visuais e sonoros, aparelhos usados para reprodução dos mesmos e mudanças na sociedade com tudo isso.

Suportes físicos na música: Vinil (Lp ou Long Play) , fitas k-7 e CD.

Suportes físicos para filmes: Fitas VHS, DVD e BLU-RAY.

 

Na casa de vocês, devem ter visto vários filmes numa VHS como esta acima. Tinha de rebobinar ou adiantar o filme para colocar  na parte desejada e isso não era tão rápido como é feito digitalmente hoje.

Na minha casa tinha um rebobinador, (aparelho que tinha por única  utilidade  rebobinar fitas) e ao fazer isso tocava Für Elise do Beethoven, que mesmo sendo um belo de um clássico da música erudita, é um pouco chato porque ouvimos essa mesma melodia no caminhão do gás, no telemarketing e sei lá, na espera de um filme no cinema ou num elevador lotado, é enlouquecedor. Em dois ótimos filmes que lembro agora, Laranja Mecânica (Stanley Kubrick) e Elefante (Gus Van Sant), os personagens centrais são fãs de Beethoven e os dois são lunáticos de parar no manicômio e assassinar todos os coleguinhas do colégio, então é bom tomar cuidado com quem goste desse tipo de “cantiga”.
Ah… e o que falar das fitinhas K-7,  hein?! Elas enrolavam às vezes e você perdia tudo que estava gravado no seu rolinho, era também o paraíso da pirataria, você ia na rua ou na praia e os vendedores estavam com os sucessos da Xuxa, Lulu Santos, Reginaldo Rossi, RPM, Paralamas do Sucesso e outras tosquices que na época todos ouviam.
O melhor de tudo é que podiamos comprar uma fita virgem e fazer a nossa seleção, tinha aquela emoção: “eita, essa música é legal aperta o rec!”  era uma maravilha!
Os vinis voltaram, pessoal! É a volta dos que não foram, sabe? O que tem acontecido é que alguns saudosistas e amantes da música veem charme, encanto e mais qualidade no som que sai de uma vitrola. Tem muita discussão e pesquisa sobre quem tem mais qualidade o CD ou o LP, coloque depois no santo google, Vinil, se lhe interessa. Bandas atuais gravando em Long Play e a existencia da única fábrica de vinis da América Latina ser  no nosso país, fez com que surgisse todo um bafafá em volta do assunto. 

A intenção aqui é observar e refletir como tudo mudou, e não, dizer que o vinil é melhor ou que só se deve assistir filmes em blu-ray, pelo contrário, acho que todos têm sua função e foram muito importantes para propagação do conhecimento, informação e cultura em suas épocas, mas para fechar, faço um pedido de que tentem apreciar o conteúdo no tempo proposto. Tenha a experiência de ouvir um CD inteiro, observe se existe conexão entre as faixas do albúm e a mesma coisa  que acontece em um filme, às vezes, quando se perde uma cena, fica difícil entender o final.

1 Comment

  1. Me lembro muito dessas coisas, tenho muitos VHS, vinis e fitas K-7 em casa. O pior é que dá uma dó, porque são coisas de “infância” e hoje em dia nem vendem mais aparelhos que toquem, quer dizer, não nas lojas mais atuais né.kk’
    Na verdade acho um pouco triste isso.. . porque não sei, mas pra mim essas coisas são importantes e hoje em dia coisas antigas, digamos assim, não tem mais tão valor por tantas tecnologias avançadas.Infelizmente. :/

    Um Beeijo!

Deixe uma resposta